segunda-feira, 31 de julho de 2017

Sobre Liberdade E Outras Coisas


Quando criança sempre desejei ser adulta logo, muito provavelmente pelo fato de que convivia mais com adultos do que com crianças. Devia ter uns quatro ou cinco anos quando decidi o que iria ser quando crescer, e uns seis ou sete quando me chamaram de muito madura para a minha idade. E, é claro, fui daquele tipo de criança que se dava melhor com as crianças mais velhas do que com as da própria idade, e conseguia manter uma conversa razoável com adultos muito antes do esperado. Ou seja, queria ser independente, ser responsável por mim mesma e acima de tudo queria ser capaz de realizar meus sonhos sozinha.

Mas as coisas não saíram como o esperado. Muito além de não ter conquistado a minha independência, me sinto afogada no mar de controle de outra pessoa. É claro que ter alguém para se preocupar com você, ser interessado na sua vida é algo essencial para saciar o lado carente que todo o ser humano tem, mas espaço é bom e eu gosto.

Se fossem somente as coisas importantes, estaria tudo bem. Mas não ter voz para decidir coisas simples do dia a dia? Me faz querer fugir pra bem distante. Alias, ainda não contei pra ninguém, mas vou. Pra mais distante do que alguém pode imaginar.

Sinceramente, quando a vontade nasceu dentro do meu coração, doeu. Doeu porque de alguma forma eu senti que é um caminho sem volta. Quando entrar naquele avião nunca mais serei a mesma. Mesmo que dependa dos seus recursos para tal, saiba que esse será o meu grito de liberdade.

Não admito viver nessa inercia constante, apenas sobrevivendo. Sabe, eu nasci para viver. Acredito em destino, mas talvez o meu esteja preso nessa rotina. Sem emoções, felicidades ou planos.

Não tenho ideia de como vou fazer para contar, nem como vou fazer. O que sei é que esse sentimento, o da decisão, eu nunca tinha sentido antes. E acredite quando digo que não vou desistir.

Essa intuição que cresce a cada dia, essa vontade de ir logo. Não sou ingenua o suficiente para achar que nunca mais vou voltar, ou para pensar que não sentirei falta. Mas sou consciente o suficiente para saber que posso ser mais, fazer mais.

Essa é a primeira vez que escrevo sobre isso, mas tenho a sensação de que escreverei mais mil cartas dessas até chegar o momento em que tudo valerá a pena. E eu mal posso esperar para ter a minha vida só para mim.


 Contato:
anacampagnnolo@gmail.com
@campagnoloana no Instagram
@anacampagnnolo no Twitter 

sexta-feira, 28 de julho de 2017

RESENHA: To The Bone (O Mínimo Para Viver)


Olá! Como prometido, trago a resenha da semana! Dessa vez sobre um dos títulos originais da Netflix lançados esse mês, o filme To The Bone, ou o Mínimo Para Viver, em português. A personagem principal é vivida pela atriz Lily Collins e tem participação do Keanu Reeves. Confira o trailer:


Logo no inicio há um aviso sobre o conteúdo do filme, deixando explícito que a trama conta com certos gatilhos e que pode ser prejudicial, principalmente para quem já passou ou está passando por problemas semelhantes ao da personagem principal.

Ellen é uma jovem de vinte anos que sofre de anorexia, e diferentemente de outros filmes com a temática semelhante, To The Bone não trás uma reviravolta emocionante e imediata, do tipo em que a personagem escolhe melhorar logo de cara. Pelo contrário: o filme mostra o fundo do poço, literalmente. Não temos cenas do passado de Ellen, e nem do futuro saudável que ela pode ter. A trama se concentra na dificuldade de estar no auge da doença e no dilema de aceitar ajuda ou não; e quando falo em aceitar ajuda não é simplesmente aceitar o tratamento, e sim se dedicar a ele.


Por mais que não exista foco no passado da personagem de Lily Colins, fica claro a maioria dos gatilhos que colaboraram pelo desenvolvimento da doença dela: a mãe se separou do pai para ficar com a melhor amiga dela, e a partir daí passou a não dar tanta atenção à família, o pai é totalmente ausente (tão ausente que nem tem ator para ele, ele é apenas citado), a madrasta não tem o famoso cimancol (por mais que ela seja consciente da doença da enteada, tem colocações que só a prejudicam), entre outros fatores, mas basicamente a família ser desestruturada é algo difícil para Ellen. Além dos pais e das madrastas, também temos contato com a meia-irmã de Ellen, que ainda é adolescente e sofre bastante com a doença da irmã. Entre trancos e barrancos, a madrasta e a irmã são as únicas realmente dispostas a fazer algo para ajuda-la.

A personagem já passou por diversos tratamentos, e nenhum deles de fato funcionou. Até que sua madrasta encontra um renomado doutor que tem um tratamento peculiar para pacientes com distúrbios alimentares, e é aí que tudo muda. O tratamento consiste em uma casa com monitoramento de apenas uma profissional, na qual vários pacientes moram durante um determinado tempo e por vontade própria, pois eles podem abandona-lo quando bem entenderem. O doutor, vivido por Keanu Reeves, faz visitas a casa e se encontra individualmente com os moradores. Além disso existe uma terapia em grupo semanal.


Como falado anteriormente, o filme contem gatilhos. A obsessão de Ellen por fazer abdominais, por exemplo, ou o fato dela contar todas as calorias das refeições. Mas nada disso se compara as cenas que mostram o corpo dela. A atriz realmente emagreceu para o papel, e não é nada normal o estado em que o corpo dela ficou. É agonizante. Aliás, lá pro fim do filme, ela desiste. Sai sem rumo acreditando que vai morrer naquela noite, mas aí ela tem um sono onde se vê como realmente está: o corpo totalmente emagrecido, fraco e doente. Ali foi o momento decisivo para ela.

É muito legal da parte dos roteiristas e produtores não romantizarem a produção ou mostrar a recuperação de forma utópica, porém existem algumas falhas no filme. A casa dos pacientes é monitorada por apenas uma profissional, que deixa passar várias coisas, como por exemplo o saco de vômito que uma das garotas esconde embaixo da cama, ou os abdominais que Ellen faz durante a madrugada. Em uma casa de reabilitação normal, os pacientes são monitorados vinte e quatro horas por dia, por mais de uma pessoa. Outro ponto que ficou no ar é o fato de que não há acompanhamento nutricional, e os pacientes comem o que querem, se querem. Uma das pacientes come pasta de amendoim de jantar enquanto outros tem uma refeição normal. E com certeza deixar que os pacientes deixem a casa a qualquer momento é muito, muito errado.

Algo que não vi em nenhuma das resenhas do filme e que considero válido é que temos uma personagem obesa e um garoto com distúrbios alimentares. É uma excelente desconstrução para o estigma que somente mulheres magras sofrem com esse tipo de doença.

Contudo, acredito que a pegada mais real foi muito legal, mas o filme não é tão bom assim não. Algumas cenas são bem descartáveis e a falta do pai é sem sentido, sabe? Acho que é interessante para as pessoas que não tem nenhum transtorno alimentar, para saber como é passar por ele, é quase como um alerta sobre o quão prejudicial é. Mas a atuação de Lily é impecável!

O filme é dirigido por Marti Noxon e está disponível na Netflix.


Contato:
anacampagnnolo@gmail.com
@campagnoloana no Instagram

@anacampagnnolo no Twitter 




segunda-feira, 24 de julho de 2017

Eu Estou Aqui


Eu estou aqui. Estou no seu sorriso, no seu coração e nas suas orações. Estou sempre com o caminho entrelaçado ao seu, e, com sorte, em algum momento você irá perceber.

Você sempre diz que espera pela pessoa certa, mas se tanto procura, como nunca me notou? Ninguém acha tanta graça nas suas piadas quanto eu acho. Ninguém conhece a sua história como eu conheço. Ninguém tem tanto apreço pela sua família do que eu. E, principalmente, ninguém tem a sua felicidade como prioridade do jeito que eu tenho.

Todos os momentos que passamos juntos tento chamar a sua atenção. Seja contando para os outros sobre a nossa serie favorita, apoiando suas ideias malucas ou sempre perguntando se você está bem.

Alguém já te amou? Alguém já te amou como eu te amo?

Quando você me contou que reza acredita que nunca vai ser verdadeiramente amado, tive vontade de gritar com você. Como, como alguém pode ser tão cego?

Sabe aquele dia em que sua mãe perguntou se estávamos namorando? Aquela vez em que o garoto do cinema nos deu desconto porque era Dia Dos Namorados? Ou aquela vez que você me pegou chorando depois de ter contado para todo mundo que ficou com ela? Pois é.

Eu escondo que gosto de você esperando ser descoberta.

E mesmo quando você se apaixonou, namorou e jurou amor por outra, eu continuei aqui. Sempre a sua espera. Sem nunca deixar que nada diminuísse meu sentimento. Aliás, a cada desilusão amorosa sua minha vontade de te fazer feliz só aumenta.

Você nunca estará sozinho, porque eu nunca vou deixar de te amar. Agora você sabe que você sempre está nos pensamentos de alguém, nas orações e no coração. Você vive dentro de mim.

E eu? Bom, eu vou continuar onde sempre estive: aqui.

Contato:
anacampagnnolo@gmail.com
@campagnoloana no Instagram

@anacampagnnolo no Twitter 


quarta-feira, 19 de julho de 2017

RESENHA: No Seu Olhar, Nicholas Sparks


Uma das minhas maiores paixões na vida é ler, e um dos autores responsáveis por isso é o Nicholas Sparks. Venho lendo todas as histórias dele que encontro há mais de seis anos,e, sinceramente, ele sempre será um dos meus autores favoritos. Em 2016 mais um titulo foi publicado pela editora Arqueiro aqui no Brasil, o livro No Seu Olhar, li semana passada e gostaria de resenhar para vocês :)

SINOPSE
Filha de imigrantes mexicanos, Maria Sanchez é uma advogada inteligente, bonita e bem-sucedida que aprendeu cedo o valor do trabalho duro e de uma rotina regrada. Porém um trauma a faz questionar tudo em que acreditava e voltar para sua cidade natal, a pequena Wilmington.

A cidade também é o lugar que Colin Hancock escolheu para se dar uma segunda chance. Apesar de jovem, ele sofreu mais violência e abandono do que a maioria das pessoas. Também cometeu sua parcela de erro e magoou mais gente do que gostaria. Agora está determinado a mudar de vida, tornar-se professor e dar às crianças o carinho e a atenção que ele próprio não teve.

Colin e Maria não foram feitos um para o outro, mas um encontro casual durante uma tempestade mudará o rumo de suas histórias. Ao confrontar as diferenças entre os dois, eles questionarão as próprias convicções. E ao enxergar além das aparências, redescobrirão a capacidade de amar.

Porém, nessa frágil busca por um recomeço, o relacionamento deles é ameaçado por uma série de incidentes suspeitos que reaviva antigos sofrimentos. E quando um perigo real começa a se impor, Colin e Maria precisam lutar para que o amor sobreviva.

Com uma trama madura e repleta de emoções e de suspense, No Seu Olhar mostra que o amor às vezes é forjado em crises que ameaçam nos destruir e que o primeiro passo para a felicidade é acreditar em quem podemos ser.

FICHA TÉCNICA:

IDENTIDADE VISUAL: É bonita e segue a mesma linha dos outros livros.

DIAGRAMAÇÃO: Como sempre, a editora Arqueiro não decepcionou. Não encontrei nenhuma falha e a escolha do couchê foi boa também.

SOBRE A HISTÓRIA:

O romance policial é mais policial do que romântico, para ser honesta. Já vimos outras histórias nas quais Sparks trouxe uma pegada mais eletrizante e repleta de ação, como em Um Porto Seguro, porém nesse livro o romance foi deixado em segundo plano. Acredito que faltou um olhar mais preciso da edição em relação a isso, pois até a metade do livro a marca do autor fica clara – o romance -, mas depois o foco fica nas investigações e cenas que retratam a situação policial. Em contrapartida, a história é muito bem pensada e tem um desfecho inesperado, e mesmo as situações que já tinha suposto como seriam tem detalhes inteligentes.

Outro ponto que deixou a desejar foi o fato de o drama dentro da história de amor não teve ênfase em todo o livro.  Não me entenda mal, no começo da história a antipatia da família mexicana em relação à Colin é explícita, bem como os desafios na vida dele são expostos de forma real e causam empatia, mas é um ponto que deveria ser discutido até a última página (aliás, na capa a frase “o amor enxerga além das aparências” está em destaque, o que faz subentender-se que seria um dos pontos principais). Porém, o autor trazer uma personagem hispânica e um ex bad boy (um de verdade) é algo maravilhoso, já que as histórias dele geralmente são sobre um casal branco com poucas diferenças sociais, normalmente de cunho financeiro. Certamente é o melhor momento para um autor como Nicholas Sparks trazer uma história assim. Se todo o enredo fosse somente sobre a dificuldade social que o casal enfrenta já seria uma baita história.

O livro tem mais de 400 páginas, mas poderia ter menos. Em alguns momentos a leitura fica lenta, principalmente porque o narrador repassa os acontecimentos frequentemente.

De todos os livros do Nicholas Sparks, esse foi o que eu menos gostei. Porém, acho que logo ele estará no cinema porque todas as cenas pareciam fazer parte de um roteiro cinematográfico e não um livro, mas de um jeito legal, sabe?! Nesse ponto o livro lembra A Última Música.

Espero que os próximos títulos continuem trazendo cada vez mais personagens como Colin e Maria, e, principalmente, que os livros voltem a ter o amor como tema principal.


OBS.: A partir de agora, toda semana teremos uma resenha nova!

Contato:
anacampagnnolo@gmail.com
@campagnoloana no Instagram
@anacampagnnolo no Twitter 

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Meu Primeiro Semestre De Publicidade E Propaganda


Feliz segunda, meus amores <3 Primeiramente, vamos falar sobre as últimas duas semanas que fiquei parcialmente ausente aqui do blog. É que acabei me enrolando com as últimas semanas do semestre, e, de quebra, tive algumas questões particulares também. Mas agora voltei a todo vapor!

Eu não costumo fazer posts sobre minha vida pessoal, mas faz um tempinho que venho programando esse. Pra quem não sabe, curso Publicidade e Propaganda aqui na minha cidade e acabo de terminar o primeiro semestre. Se vocês quiserem, posso fazer um contanto o porque escolhi esse curso.

Acredito que tem muito conteúdo disponível sobre como escolher a graduação, e também sobre a profissão em si (como valores e mercado de atuação), porém, os materiais que contam sobre como é cursar cada curso (com exceção de medicina) ainda são poucos. Pensando nisso, resolvi trazer semestralmente um resumão da minha faculdade, principalmente porque ter algo assim no ano passado, enquanto ainda estava no colégio, teria me ajudado bastante.

Cada instituição tem seu modo de organizar os cursos, mas na minha é assim: são semestres, comunicação é dada no período da noite e temos que escolher as cadeiras que queremos ter (cadeiras são as matérias, e pagamos por cada uma).

Por motivos que não cabem neste post, acabei tendo que trocar de curso apenas algumas semanas antes do inicio do semestre e por isso escolhi as cadeiras com pressa e com poucas opções, visto que muitas já estavam lotadas. Escolhi cinco cadeiras: História, Comunicação e Sociedade e Psicologia e Comunicação (essas duas são de tronco comum, ou seja, abrangem Publicidade e Propaganda, Jornalismo e Relações Públicas), e Responsabilidade Social, Desenvolvimento Pessoal e Profissional e Ética (essas três são as cadeiras eletivas, obrigatórias para todo os cursos e lecionadas à distancia).

Resumindo, não peguei nenhuma cadeira específica de PP, portanto, ainda não tenho propriedade para falar sobre. Então vou falar sobre como é ser caloura de comunicação \o/

O primeiro dia foi tão, tão especial! Minha melhor amiga da escola também estava no seu primeiro dia, então foi bem legal nos encontrarmos para começar. Uma pena que ela faz algo totalmente diferente e em outro bloco. A minha cidade é pequena, então eu já conhecia muitas pessoas e também vários conhecidos meus começaram no mesmo semestre. Aliás, é muito comum termos colegas de sala que conhecemos há anos e nunca de fato conversamos haha.

Como comentei anteriormente, as aulas são noturnas, o que é algo bem diferente para mim. No momento não tenho um emprego regular, então depois de passar o dia todo em casa ter que sair a noite é meio chatinho, sabe? Mas sempre que chego na faculdade isso passa.

A faculdade é relativamente pequena, mas sempre movimentada. As aulas variam muito, sério. Esqueça aquele modelo de aula de escola (todos sentadinhos, anotando um milhão de palavras e esquentando a cabeça com provas). Ah, e aquela história de que todo mundo entra e sai a hora que quer é verdade, e nos primeiros dias isso me assustou bastante. Quer dizer, passar bem na frente do professor no meio da aula? Que horror! OBS.: Hoje em dia já faço isso também, obrigada de nada.

Sei que existe uma grade curricular estipulada pelo MEC dizendo o que todas as matérias devem abordar, porém cada professor tem seu jeito de organizar e comandar as aulas. Por exemplo, em uma matéria as avaliações foram feitas através de textos, e na outra tive apenas uma prova. Claro que meu eu controlador, nerd e ansioso quase teve um treco por não ter que se matar estudando, e aquela sensação de que não estava fazendo o suficiente foi bem difícil de controlar, mas acabou dando certo. Quem me conheceu na época do colégio, sabe que meus cadernos eram sempre recheados de anotações extras, dúvidas e que sempre me preocupava muito com as avaliações, e eu esperava que essa mudança me trouxesse mais paz, mas na verdade foi o contrário. Desculpa mundo, mas eu preciso de provas!!!

Por falar em cadernos, nas primeiras aulas anotava tudinho, em diversas cores de canetas, post it, etc, e depois passei a prestar mais atenção do que gastar meus materiais. Dois motivos para isso: não tive provas, de modo que não precisei decorar cada palavra dita, apenas o que eu entendia da aula era suficiente; e todas as aulas estão disponíveis no portal da instituição, então caso fosse preciso, tinha onde procurar por esclarecimentos.  E sim, meus materiais são todos nas cores rosa e roxo, e tenho mais canetas do que o necessário. Não me julguem!

O conteúdo é, sem dúvida, necessário para futuros comunicadores, porém ainda é muito superficial e muito do que estudei aprendi em cursos da área e na prática mesmo.
Nas matérias a distancia, funcionava assim: a cada 15 dias havia no portal um novo módulo com explicação e uma atividade avaliativa, e no fim do semestre houve uma prova presencial super fácil. São conteúdos abrangentes e a maioria não é tão legal assim não, mas acredito ter feito o meu melhor.

Na cadeira dos textos, me senti dentro da minha área de conforto, então foi gostosinho escrever textos sobre coisas como a história da comunicação. Houve também um trabalho em grupo de apresentação e é aí que o meu calo aperta. Sou comunicativa, óbvio. Mas minha dicção é terrível, sem brincadeira. E o assunto não era tão bom, então não foi meu melhor momento.

Na outra cadeira, cada dia havia uma avaliação diferente com uma determinada pontuação, que no final somava uma parte da nota final. Tivemos uma prova, feita em grupo, e no fim um trabalho de apresentação também. O assunto era super legal, e me senti mais segura para esse.

Cada faculdade é uma faculdade, e a particularidade da minha é que todos os semestres temos que realizar um trabalho prático supervisionado, cuja nota faz parte da somatória final de todas as matérias. Meu grupo produziu um documentário independente, e ficou muito bom. Em breve disponibilizaremos ele online, e farei um post só sobre ele. O que posso dizer sobre por enquanto, é que esse trabalho abriu meus horizontes e me fez olhar a publicidade com olhos mais fraternos.

Nem tudo são flores, né? Gostaria de dizer que a faculdade é um lugar onde todas as picuínhas (vocês conhecem essa palavra?!) são deixadas de lado em prol de um bem maior, a graduação, e que todos são maduros e gentis o suficiente. Mas não é assim. Pessoas são pessoas, e problemas existem. Colocações não tão profissionais por parte da docência, discussão entre alunos e professores e problemas entre os grupos continuam existindo. A diferença é que nesse ambiente você é um individuo, e tem total liberdade para ter o controle sobre suas companhias e colocações. Contudo, o que vai determinar a sua vida na faculdade é você mesmo.

Comparando as coisas boas e as não boas assim, com certeza foi um semestre muito bom. Agora estou de férias mas não estou cansada da graduação, então já quero voltar!
Para encerrar, aqui vai algumas fotinhos que tirei durante os últimos seis meses. Não vou colocar dos meus amigos, mas sim de alguns momentos. Lá vai:


Gravamos algumas partes do documentário no estúdio da faculdade, então a clássica pose com a claquete não ia faltar né?!


Pérolas haha Instagram: @campagnoloana


Bibliotecas sempre terão meu coração <3


A estranha do banheiro.


Dias assim fazem tudo valer a pena...


Será que amava o estúdio?


Fiz tantas novas amizades! Uma das maiores diferenças entre a faculdade e o colégio é que todo mundo é mais amigável e, literalmente, mais de boa. É muito legal estar na faculdade, e sou muito grata por ter essa oportunidade. Mal posso esperar pelos próximos semestres!

Por favor, deixe o seu comentário! Por mais que tenha visualizações, a maioria dos meus posts não tem interação e gostaria de saber a sua opinião sobre os conteúdos que trago. Então, me conta se você curte esse tipo de conteúdo e se você já está na faculdade! :)


Beijos e tenham uma ótima semana! 

Contato:
anacampagnnolo@gmail.com
@campagnoloana no Instagram
@anacampagnnolo no Twitter